Damiana da Cunha: Uma liderança política feminina no século XIX

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5281/zenodo.10659390

Palavras-chave:

povos originários, mulheres indígenas, Goiás , líder política

Resumo

O presente artigo trata de uma revisão bibliográfica que tem por objetivo apresentar a trajetória de Damiana da Cunha, uma índia Caiapó que desempenhou importante atuação política em Goiás, entre os séculos XVIII e XIX. Para tanto, foram utilizados documentos históricos e artigos (Saint-Hilaire,1975; Geraldin, 2000; Julio, 2015a, 2015b; Coelho, 2016; Lapidus, 2020; Mano, 2021; IBGE, 2023). Após inúmeras tentativas frustradas de embates entre não índios e Caiapós pela posse de terras e de um declínio quantitativo desse povo,  buscou-se estabelecer em Goiás uma política de pacificação dos indígenas. Neste contexto, surgiu Damiana da Cunha, missionária, líder sertanista, defensora de seus consanguíneos Caiapós. Sua jornada representou um importante marco na história colonial, pois o desempenho das atividades laborais exercidas por Damiana da Cunha, reconhecidamente masculinas, rompeu com a imagem europeia de submissão feminina e forneceu oportunidades para a atuação de mulheres na sociedade. A líder Caiapó provou a todos, através da sua jornada, que havia motivos para seu povo confiar em sua atuação política a despeito de seu gênero. Dessa forma, Damiana da Cunha, mulher, índia e líder política, foi uma representante de seu povo originário, que rompeu a invisibilidade das mulheres indígenas no Estado de Goiás em tempos de uma sociedade patriarcal.

Biografia do Autor

Camila de Marillac Costa Nunes, Tribunal de Justiça de Goiás - Ejug

Doutora e Mestre em Agronomia pela Universidade Federal de Goiás. Especialista em Métodos e Técnicas de Ensino. Graduada em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Goiás. Servidora do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás.

Elka Cândida Machado de Oliveira, Universidade Federal de Goiás

Doutora em Educação pela Faculdade de Educação da Universidade Federal de Goiás. Mestranda em Educação pela Faculdade de Educação da Universidade Federal de Goiás. Graduada em Direito pela Universidade Federal de Goiás e  em Educação Física pela Escola Superior de Educação Física e Fisioterapia do Estado de Goiás. Servidora do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás.

Referências

ALENCASTRE, José Martins Pereira. Anais da Província de Goiás. Goiânia: Sudeco/Governo de Goiás, 1979. 392 p.

ATAÍDES, Jézus Marco de. Sob o signo da violência: colonizadores e kayapó do sul no Brasil central. Goiânia: UCG, 1998.

CAETANO, Beatriz Molina. A construção da visão sobre os povos indígenas em Minas Gerais pelos relatos de August Saint Hilaire. In: WISSENBACH, Maria Cristina Cortez; VILARDAGA, Stella Maris Scatena Franco; GRESPAN, Jorge Luís da Silva. VI Encontro de Pesquisa na Graduação – Organização. São Paulo: FFLCH/USP, 2021.

CAPUCHO, Taís Cristina Jacinto Pinheiro. Pregadoras e guerreiras invisíveis: mulheres indígenas e a colonização do Brasil. Revista Ars Histórica, [s.l.], n.º 18, 2019.

CARVALHO, Marta Meire de. Damiana da Cunha: uma capitã-mor nos sertões dos goyazes nos séculos XVIII e XIX. Fragmentos de Cultura, Goiânia, v. 14, n. 6, p. 1111-1124, 2004.

COELHO, Damiana Antônia. Representações de Damiana da Cunha na história e na literatura. 2016. 116 f. Dissertação (Mestrado em Territórios e Expressões Culturais no Cerrado) – Universidade Estadual de Goiás, Campus Anápolis de Ciências Socioeconômicas e Humanas, Anápolis, 2016.

COELHO, Damiana Antônia; BICALHO, Poliene Soares dos Santos. Caiapó do Sul: a história de um povo indígena de Goiás. Espacios, Caracas, v. 37, n. 17, p. 7, 2016.

DEL PRIORE, Mary. História das mulheres: as vozes do silêncio. In: FREITAS, Marcos Cezar de (org.). Historiografia brasileira em perspectiva. São Paulo: Contexto, 1998.

FREITAS, Marcos Cezar de. Para uma história da historiografia brasileira. In: FREITAS, Marcos Cezar de (org.). Historiografia brasileira em perspectiva. São Paulo: Contexto, 1998.

GIRALDIN, Odair. Renascendo das cinzas. Um histórico da presença dos Cayapó-Panara em Goiás e no triângulo mineiro. Sociedade e Cultura, Goiânia, v. 3, n. 1 e 2, p. 161-184, jan.-dez. 2000.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico 2022: indígenas. Primeiros resultados do universo. IBGE: Rio de Janeiro, 2023. 197 p.

JULIO, Suelen Siqueira. Damiana da Cunha: uma índia entre a “sombra da cruz” e os caiapós do sertão (Goiás, c. 1780-1831). 2015. 171 f. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2015b.

JULIO, Suelen Siqueira. Mulheres indígenas na América Latina Colonial. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA – LUGARES DOS HISTORIADORES: VELHOS E NOVOS DESAFIOS, XXVIII., 2015a, Florianópolis. Anais [...]. Florianópolis: [s.n.], 2015a.

JULIO, Suelen Siqueira. Biografia Damiana da Cunha. Os Brasis e suas memórias. https://osbrasisesuasmemorias.com.br/biografia-damiana-da-cunha.

KARASCH, Mary. Damiana da Cunha: catequista e sertanera (Goiás, siglos XVIII y XIX). In: SWEET, David G.; NASH, Gary B. (orgs.). Lucha por la supervivencia en la América colonial. México: Fondo de Cultura Económica, 1981. p. 85-97.

LIMA, José Eduardo Alcântara; BICALHO, Poliene Soares dos Santos. As expressividades artísticas dos Kayapó do Sul sob o olhar dos viajantes Pohl e Saint-Hilaire. Cultura, Estética e Linguagens, Anápolis, v. 7, n. 2, p. 192-220, 2023.

LAPIDUS, Ângela Maria Álvares. Cayapós, caminhantes da história e da ficção em Guerra no coração do Cerrado, de Maria José Silveira. 2020. 88 f. Dissertação (Mestrado em Língua, Literatura e Interculturalidade) – Universidade Estadual de Goiás, Cidade de Goiás, 2020.

MANO, Marcel. Entre necessidades e contingências: políticas indígenas nos sertões de Goiás (1781-1832). Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, Belém, v. 16, n. 2, n. 2, e20200055, 2021.

OLIVEIRA, Ricardo Batista de. Povos bárbaros ou fiéis vassalos? Luta, negociação e protagonismo indígena diante do devassamento do Sertão da Farinha Podre e áreas contíguas (1750-1850). 2016. 243 f. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2016.

PACHECO DE OLIVEIRA, João; FREIRE, Carlos Augusto da Rocha. A presença indígena na formação do Brasil. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade: Laced/Museu Nacional, 2006.

POHL, Johann Emanuel. Viagem no interior do Brasil. São Paulo: Edusp, 1976. 417 p.

RAVAGNANI, Oswaldo Martins. A agropecuária e os aldeamentos indígenas goianos. Perspectivas, Araraquara, v. 9, n. 10, p. 119-143, 1986.

RIBEIRO, Núbia Braga. Os povos indígenas e os Sertões das Minas do Ouro no Século XVIII. 2008. 405 f. Tese (Doutorado em História) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

SILVA, Amanda Cristina Souza da. Gênero e etnia: historiografia e mulheres indígenas. In: ENCONTRO DE DISCENTES DE HISTÓRIA DA UNIFAP, III., 2017, [s.l.]. Anais [...]. [S.l.]: Unifap, 2017.

SILVEIRA, Maria José. Guerra no coração do cerrado. Rio de Janeiro: Record, 2006. 262p.

SAINT-HILAIRE, Auguste de. Viagem à Província de Goiás. Belo Horizonte: Itatiaia, 1975. 158p.

Downloads

Publicado

2024-01-16 — Atualizado em 2024-02-15

Como Citar

de Marillac Costa Nunes, C., & Cândida Machado de Oliveira, E. (2024). Damiana da Cunha: Uma liderança política feminina no século XIX. Revista Goyazes, 1(1), 1–17. https://doi.org/10.5281/zenodo.10659390

Edição

Seção

Artigos