Entre ser justo e ter razão

Autores

Palavras-chave:

justiça, razão, liberdade, ética do justo

Resumo

O artigo tem por objeto discutir os conceitos de justiça e as práticas discursivas na arte de ter razão. A metodologia empregada compõe-se de levantamento bibliográfico, sendo denominada pesquisa documental do tipo exploratória. Para tanto, os conceitos são apresentados para levantar a problemática da ética do justo: por que e para que fazer justiça em uma sociedade cujos critérios é ter razão a qualquer custo? Conclui-se que ser justo implica fazer escolhas a favor do bem comum.

Biografia do Autor

Marcione Faria da Silva, Faculdade de Direito de São Paulo

Doutoranda em Direito pela Faculdade Autônoma de Direito. Mestre em Maestría em Educacíon pela Universidad Del Salvador, Argentina. Especialista em Docência Universitária pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás. Graduação em Direito pela Unigoiás. Graduação em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás. Graduação em Teologia pela Faculdade de Teologia de Anápolis.

Ricardo dos Santos Castilho, Escola Paulista de Direito

Sou Pós-Doutor em Direito pela Faculdade de Direito do Largo São Francisco/USP e Pós-Doutor em Direito pela Universidade Federal de Santa Catarina/UFSC. Meu título de Doutorado foi obtido na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo ? PUC/SP, em Direito das Relações Sociais. Como pesquisador acadêmico, faço parte de dois diretórios de grupos pesquisa do CNPq; no GEDA ? Grupo de Estudos em Direito de Águas, vinculado à Universidade do Estado do Amazonas - UEA e do NPDA ? Núcleo de Pesquisa em Direito de Águas, ligado à Universidade Federal do Amazonas. Os dois grupos investigam Direito, Governança e Segurança Hídrica no âmbito dos seus respectivos Programas de Pós-graduação Stricto Sensu em Direito. Possuo diversas publicações jurídicas como livros (publicados em Editoras como a Saraiva, Lumem Juris e Juruá), capítulos de livros e artigos em periódicos. Na FADISP - Faculdade Autônoma de Direito, sou Professor Titular de Filosofia e Direitos Humanos no programa de Mestrado e Doutorado da Faculdade Autônoma de Direito ? FADISP, e no curso de graduação em Direito leciono a disciplina de Ética das profissões jurídicas. Sou Fundador e Diretor Geral da Escola Paulista de Direito ? EPD, sendo coordenador científico do Programa de Pós-graduação lato sensu em Direito Público, Professor e Coordenador do MBA em Direito Corporativo e Compliance e Diretor do Mestrado em Resoluções Alternativas de Controvérsias Empresariais. Tenho forte atuação no ramo da advocacia empresarial, sendo Advogado, Consultor e Parecerista, titular do Escritório Castilho Sociedade de Advogados, em São Paulo e Brasília. Sou Chairman da Law Concept Academy -LCA e CEO da Faculdade de Direito Tech ? FADITECH. Sou Presidente da Comissão Permanente de Estudos da Cidadania do Instituto dos Advogados de São Paulo (IASP). Na Federação do Comércio de São Paulo - FECOMERCIO, acumulando as funções de conselheiro do Conselho Superior de Direito com a de Árbitro.

Referências

ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de Filosofia. Tradução de Alfredo Bosi. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco. Trad. de Leonal Vallandro e Gerd Bornheim, da versão inglesa de W.D. Rosá. São Paulo: Editora Abril Cultural, 1973. (Coleção Os pensadores).

DESCARTES, René (1596-1650). O discurso do método. Tradução de Paulo Neves. Porto Alegre: L&PM, 2021.

HOBBES, Thomas (1588-1679). Leviatã ou matéria, forma e poder de um Estado Eclesiástico e Civil. Trad. de Rosina D’Angina. 2. ed. São Paulo: Martins Claret, 2012.

KANT, Immanuel. A metafísica dos costumes. Trad. de José Lamego. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2004.

KOYRÉ, Alexandre. Orientation et projets de recherches. In: Koiré, Alexandre. Études d'histoire de la pensée scientifique. Paris: Gallimard. 1973.

PETERS, Francis E. Termos filosóficos gregos: um léxico histórico. 2. ed. Trad. de Beatriz Rodrigues Barbosa. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1983. 272p.

PLATÃO. A República. Trad. de Enrico Corvisieri. São Paulo: Nova Cultural, 2004. 352p.

POPPER, Karl R. El desarrollo del conocimiento científico. Conjecturas y refutaciones. Paidós: Buenos Aires, 1983. 513 p.

RAWLS, John. Uma teoria da justiça. São Paulo: Martins Fontes, 2000. 37p.

SANDEL, Michael J. Justiça: o que é fazer a coisa certa. 23. ed. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2017. 350p.

SARTRE, Jean-Paul. O ser e o nada – ensaio de ontologia fenomenológica. Trad. de Paulo Perdigão. 6. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 1998. 832p.

SARTRE, Jean-Paul. O existencialismo é um humanismo. 4. ed. Petrópolis: Editora Vozes, 2014. 88p.

SHOPENHAUER, Arthur (1788-1860). Trinta e oito estratégias para vencer qualquer debate: a arte de ter razão. Trad. de Caila Werner. São Paulo: Faro Editorial, 2014.

TEIXEIRA, Ariane M. O Direito na filosofia de São Tomás de Aquino. Jus.com.br, 2016. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/48454/o-direito-na-filosofia-de-sao-tomas-de-aquino. Acesso em: 18 jun. 23.

TERNES, José. Michel Foucault e a Idade do Homem. 2. ed. Goiânia: Ed. da UCG: Ed. da UFG, 2009.

TOMÁS DE AQUINO. Suma Teológica. 9 volumes. Trad. de Gabriel C. Galache, Fidel García Rodríguez e Carlos-Josaphat Ponto de Oliveira et al. São Paulo: Loyola, 2011-2006.

VARGAS, Luciana; MOTA, Aline. TCC sem mistério: manual prático de monografia. 1. ed. Florianópolis: Editora Simplissimo, 2018.

Downloads

Publicado

2024-01-15 — Atualizado em 2024-01-23

Como Citar

Faria da Silva, M., & dos Santos Castilho, R. (2024). Entre ser justo e ter razão. Revista Goyazes, 1(1), 192–211. Recuperado de https://revistagoyazes.tjgo.jus.br/goyazes/article/view/12

Edição

Seção

Artigos